Offside
Lado B

Fomos ao teatro com o Rúben Moreira.

Corporate

Um olhar sobre nós na voz dos nossos parceiros - Testemunho da Seedstars, pela voz de Pedro Gomes.

Fora de Série

"O facto de me terem proposto para Fora de Série vem apenas provar que estou a seguir o caminho certo, dando o melhor de mim. Aliás, um dos meus lemas de vida é “Se for para ser feito, ao menos que seja bem feito”. Diria que estou a cumprir!", António Barbosa (CPES)

Pensar Sério

"Confesso que no início sentia-me um 'peixe fora de água', não percebia a terminologia utilizada e a dinâmica era bastante diferente do que estava habituada. Eu costumava falar de “emoções”, “sentimentos” e “comportamentos” e não de “sistemas”, “redes”, “algoritmos”... Susana Rodrigues (C-BER)

Galeria do Insólito

As nossas colegas secretárias de um certo Centro têm a ambição (legitima, diga-se) de educar os colaboradores para que façam os seus pedidos atempadamente e não peçam uma viagem de avião para dali a 1 hora, um veículo alugado para o minuto seguinte ou um relatório para agora mesmo...

Ecografia

BIP tira Raio X a colaboradores do INESC TEC...

Novos Doutorados

Venha conhecer os novos doutorados do INESC TEC...

Novos Colaboradores

Em fevereiro, o INESC TEC recebeu 33 novos colaboradores. Conheça os seus rostos.

Cadê Você?

A melhor forma de transferir tecnologia é transferir pessoas.

Jobs 4 the Boys & Girls

Referência a anúncios publicados pelo INESC TEC, oferecendo bolsas, contratos de trabalho e outras oportunidades do mesmo género...

Biptoon

Mais cenas de como bamos indo porreiros...

Subscrever o BIP
 

O CÃO E A COBRA

Vulpes pilum mutat, non mores, terá dito Vespasiano a um escravo, a quem negou a liberdade antes prometida por causa dos seus vícios: a raposa muda o pelo, não os costumes. Vem esta reflexão a propósito do que é habitual ver debatido, quando se procura uma agenda para a investigação científica em Portugal. Surgem duas posições em regra antagónicas: o conceito da ciência desamarrada de objetivos imediatos, e o propósito de uma ciência focada em resultados industriais.

Um dos modelos tem a serena virtude de permitir a criatividade inesperada, e de poder afirmar uma independência bacteriologicamente assética: sendo livre, e financiada publicamente, não estaria a ciência servindo agendas ocultas ou privadas ou particulares.

O outro modelo tem a formidável qualidade de permitir explicar à cidadania democrática porque é que vale a pena investir na ciência e, assim, traduzir em Euros o conceito de relevância social.

Porém, a aposta só no que já se é forte, é aposta medíocre. Sem inovação radical, como acharemos oportunidades disruptivas? Como se detetam novos nichos, onde os ganhos costumam ser astronómicos e não apenas incrementais?

É, pois, empolgante apostar em áreas novas, ciências avançadas – o conhecimento universal terá o seu contributo português. Mas, e que resposta dar aos cidadãos, se perguntarem: e onde está a indústria, para esse investimento?

Nem um ou nem outro modelo, levados a extremo, são satisfatórios – e, precisamente, porque cada um tem o que falta ao outro. Entalados entre canis et coluber, o desafio que temos pela frente é combinar reforços nos nossos pontos fortes com apostas audazes em áreas disruptivas.

Na definição de políticas, convém compreender o cão e a cobra. É por isso que é um erro identificar áreas robustas, com conexão industrial, dando-lhes apropriada prioridade nos financiamentos, e outras, disruptivas, por vezes designadas de wild cards, para depois não lhes atribuir prioridade alguma nos financiamentos.

Isto tanto vale para a estratégia do INESC TEC, como para políticas regionais ou para uma política nacional de ciência de tecnologia. Nesse plano maior, todos os atores contam: as pessoas certamente, as instituições fundamentalmente – e as políticas inteligentes, iluminadas, abrangentes, de modo decisivo.